| |

Diferenças entre business low-code e tech low-code: o que são, afinal?

mulher de amarelo e oculos em frente ao computador banner para business low-code e tech low-code

Há 2 anos ouvimos o especialista em transformação digital, Cezar Taurion, falar que toda empresa será uma empresa de tecnologia. Agora, estamos presenciando esse fato que fica cada vez mais evidente à medida que a competitividade entre as organizações aumenta e, para se manter competitivo no mercado, você precisa do quê? Tecnologia. 

A responsabilidade disso está apenas sobre os ombros da área da TI? Não. Neste blogpost vou lhe contar um pouco mais sobre como o movimento low-code está aproximando cada vez mais as áreas de TI e negócio das empresas, em busca de um objetivo comum: gerar resultados, melhorar a eficiência e aumentar o que importa, a última linha, o lucro. 

O que é low-code?

Low-code (pouco código) se tornou conhecido como um movimento tecnológico e social que democratiza o desenvolvimento de soluções baseadas em tecnologia. O uso de pouco, ou nenhum, código facilita o desenvolvimento de soluções (softwares, aplicativos, sistemas) por pessoas que não tem conhecimento técnico em programação. Além disso, o low-code acelera o desenvolvimento para quem tem esse conhecimento técnico, visto que não há necessidade da criação de tantas linhas de código para criação de soluções mais rápidas.

Provavelmente você já ouvir falar sobre isso, portanto, serei breve neste ponto. O que eu quero mesmo falar é sobre business low-code e tech low-code. 



O que é business low-code?

São ferramentas robustas que permitem a criação de aplicações e processos de negócio, com governança, padronização e segurança, sem o uso de codificação, ou com auxílio técnico nos pontos onde é preciso alta customização.​

Qual é o papel do analista de negócios no business low-code?

Os analistas de negócio que têm interesse em criar soluções que resolvam problemas do seu dia a dia, estão sendo chamados de citizen developers. Ou seja, são desenvolvedores cidadãos que estão colocando um “pé” na TI, com o poder de pensar e implementar soluções simples em tecnologia, sem a necessidade de programação.

Dito isso, quando olhamos para o business low-code, o citizen developer cria soluções compondo e configurando elementos em uma ferramenta low-code, e conta com apoio do profissional técnico (Pro) para customizações e integrações. 

Qual é o papel da TI no business low-code?

Veja só, o movimento low-code é um movimento de aproximação entre as áreas de negócio e a TI, onde o profissional de TI tem a oportunidade de realizar entregas mais rápido e estar mais conectado com as necessidades da área de negócios. Dando o apoio técnico para customizações e integrações. 

O que é tech low-code?

São ferramentas e SDKs (Software Development Kit) de desenvolvimento que aceleram a criação de aplicativos de códigos por desenvolvedores profissionais. Nesse caso, o citizen prototipa soluções enquanto bibliotecas, SDKs e o código pronto acelera a implantação pelo Pro. ​

Resolvendo problemas antigos

Essa nova abordagem de business low-code surge para resolver problemas antigos. Com a cooperação das áreas técnicas e de negócio para criação de soluções que otimizem a operação e os resultados, ambas as áreas se beneficiam resolvendo problemas antigos. 

Quem nunca presenciou uma entrega da área técnica que não era realmente o que a área de negócio precisava? Essa desconexão é muito comum e não há um culpado. Mas, quando o citizen developer está junto, desenvolvendo a solução, prototipando a aplicação de acordo com as necessidades da área, essa desconexão é eliminada. 

Um grande benefício para o Pro é a redução do prazo de entrega. Por um lado, o analista de negócio estará resolvendo problemas simples sem a necessidade de demandar a TI, o que já reduz muito o backlog. Noutro, a TI acelera a entrega e implementação de soluções complexas.

Por último, destaco a Shadow IT. Conhecida como TI invisível, fala sobre o uso de programas, softwares e dispositivos sem o conhecimento e controle da área técnica da empresa. 

Isso ocorre, muitas vezes, pelo fato de as demandas do negócio não serem priorizadas pela TI, por falta de tempo, estratégia ou prioridades. Nesses casos, muitos analistas de negócio baixam softwares e acessam plataformas para tentar resolver seus problemas, sem conhecimento da TI. Os riscos são enormes.

Quando o citizen developer tem autonomia e é empoderado pela empresa para criar suas próprias soluções, a Shadow IT é infinitamente minimizada. 

O business low-code é uma realidade distante?

Não, muito pelo contrário. Já existem diversos cases que evidenciam o uso de ferramentas com a abordagem business low-code e também os excelentes resultados. 

A AmorSaúde utiliza a ferramenta low-code do Zeev by Stoque para automatização de processos de negócio. O time de analistas de processo já automatizou processos de mais de 430 filiais da organização. 

Não só as áreas de negócio se beneficiam do uso do low-code. A área de TI é responsável pela automatização de processos no Grupo Hospitalar Conceição. Com desenvolvimento acelerado pelo low-code, eles já alcançaram mais de 300 processos automatizados e disponíveis para usuários iniciarem suas solicitações. O Zeev suporta, aproximadamente, 35 mil solicitações por mês, com mais de 17 mil usuários ativos.

Plataforma low-code

Stories


Artigos Similares

A Zeev coleta, via cookies, dados essenciais para o funcionamento do site e métricas de acesso. Saiba Mais.

Entendido
Stoque adquire a Zeev e expande atuação no mercado digital Dicas de Softwares para a Gestão de TI Como melhorar a eficiência do Centro de Serviços Compartilhados Dicas para implementar um planejamento estratégico em 2024