Cibersegurança empresarial: 6 ameaças mais comuns e o que fazer

imagem ilustrativa de um notebook com cadeado representando cibersegurança e um texto explicativo de quais ameaças mais comuns indicando o que se deve fazer

Os prejuízos causados pelos ataques cibernéticos, vão além dos financeiros. Roubos e sequestros de dados também podem atrapalhar as operações de negócio e ainda assim prejudicar a reputação das marcas.

De acordo com o Instituto AV-TEST, mais de 450 mil programas nocivos são encontrados diariamente na internet. Conforme relatório da plataforma Statista, o prejuízo financeiro global pode chegar a mais de U$ 8 trilhões em 2023.

Nesse artigo, você vai entender quais são os riscos de não proteger os dados, e quais medidas de segurança devem ser tomadas para aumentar a proteção.  

O que é cibersegurança para empresas

A cibersegurança para empresas envolve um conjunto de práticas, estratégias e tecnologias desenvolvidas para aumentar a segurança da informação.



A transformação digital nas empresas oferece muitos benefícios. Desde a otimização de tarefas e maior controle na gestão de processos, até o aumento do desempenho dos colaboradores. Entretanto, o uso de sistemas interligados em ambientes virtuais abriu lacunas para invasões, roubo de dados e fraudes. 

Desde phishing e malware, até ataques sofisticados como ransomware, os riscos para as organizações são grandes. Principalmente quando as empresas direcionam seus esforços em estratégias de marketing e aumento da produtividade, mas esquecem de proteger seus sistemas.

Quais são principais ameaças cibernéticas corporativas 

Quando as empresas não direcionam seus esforços para a segurança da informação e prevenção de ataques cibernéticos, elas ficam expostas a uma variedade de riscos. Conheça os principais:

Malware

O malware (software malicioso) é uma das ameaças cibernéticas mais comuns, sendo disseminado por meio de um anexo de email ou algum download realizado pelo usuário. Existem diferentes tipos de software maliciosos, como por exemplo: spyware, ransomware, worm e botnets

Ameaça Persistente Avançada (APT)

Quando o objetivo é acessar sistemas e redes não autorizadas de maneira prolongada, os criminosos usam a Ameaça Persistente Avançada (APT). Esse tipo de ataque usa técnicas para acessar redes, lixo eletrônico ou até um aplicativo vulnerável para roubar informações sigilosas da empresa. 

DDoS e DoS

Esse ataque sobrecarrega uma rede de computadores, a fim de tornar indisponível o acesso do usuário original. No caso do DDoS, a invasão é realizada por vários computadores. Já no modelo DoS, um computador é suficiente para criar várias solicitações de acesso a um site ou servidor ao mesmo tempo. 

Injeção SQL

A Injeção SQL é uma técnica na qual comandos SQL são inseridos nos campos de entrada de um aplicativo. Quando essas entradas não têm a proteção, os hackers invadem áreas não autorizadas. Dessa forma, eles modificam e expõem dados sigilosos. 

Ataque DMA

O Ataque de Acesso Direto à Memória (DMA) é um modelo que usa dispositivos para acessar diretamente a memória do sistema, sem a necessidade de passar pelo processador do computador. Isso acelera a invasão, bem como a taxa de transferência e dados. 

Ataque Man-in-the-Middle (MitM)

Ele acontece quando os criminosos interrompem o tráfego de usuários no sistema invadido. Ocorre principalmente quando empresas usam redes WIFI públicas, com pouca segurança, ou então quando os criminosos utilizam um malware capaz de violar a cibersegurança de uma rede. 

Quais medidas de cibersegurança devem ser tomadas pelas empresas

As estratégias de cibersegurança devem estar presentes desde a estrutura física, até na educação e controle de usuários. Confira agora algumas dicas práticas que podem garantir maior proteção de dados corporativos e a segurança da informação: 

Implemente políticas de senhas fortes e atualizadas: 

As senhas são a primeira camada de proteção de dados corporativos. Portanto, o uso de senhas fortes e suas atualizações frequentes são fundamentais para garantir a cibersegurança da sua empresa. Prefira senhas que alternam letras maiúsculas e minúsculas e misturem números com sequência alternada. 

Use a autenticação de dois fatores (2FA): 

Juntamente com a senha tradicional, você pode também criar uma segunda opção de autenticação para os usuários acessarem um sistema. A 2FA (two-factor authentication), pode exigir um código que será enviado para um dispositivo móvel, por exemplo.

Realize backups regularmente:

 Sempre faça backups (cópias de segurança) de seus dados. Backups ajudam a recuperar informações em caso de ataques, falhas técnicas ou desastres.

Atualize seu software e sistema operacional: 

Quando os softwares estão desatualizados, a proteção diminui. Entretanto, os programas atualizados recebem novos patches de segurança que corrigem possíveis pontos de vulnerabilidade.

Utilize firewalls e sistemas de detecção de intrusão: 

Funcionando como uma barreira entre as redes interna e externa, os firewalls monitoram o tráfego de dados e filtram as informações suspeitas. Enquanto isso, os sistemas de detecção de intrusão monitoram a atividade na rede e nos softwares, detectando padrões suspeitos que indicam possíveis invasões.

Controle dos acessos: 

O controle do acesso físico está relacionado às restrições de entrada aos locais onde dados e informações relevantes estão armazenados. E podem incluir medidas como o uso de chaves, cartões de acesso ou biometria, para evitar roubos ou danos físicos.

Já no controle de acesso lógico, a gestão das permissões de acesso desses sistemas e dados é atribuída por meio de credenciais de usuários. Aqui os níveis de acesso podem ser definidos com base nas funções e responsabilidades de cada usuário. 

Monitore e analise logs de segurança: 

Você tem disponível um diário de eventos do computador da sua empresa. Monitorar e analisar os logs de segurança, é o mesmo que olhar atentamente este diário. Isso pode ajudar você a detectar pistas de atividades suspeitas que indicam ataques cibernéticos.

Treine sua equipe:

O conhecimento das práticas de cibersegurança evita que pessoas mal intencionadas danifiquem ou roubem dados e informações importantes. Treine seus colaboradores para que eles não cliquem nos links suspeitos nem deixem senhas expostas.

Realize treinamentos para que, em situações de risco, eles também saibam agir para manter a segurança da informação e garantir a proteção de dados corporativos.

Quais medidas avançadas de segurança devem ser tomadas pelas empresas

Mesmo que a empresa utilize medidas básicas de cibersegurança, é sempre recomendável usar soluções avançadas para aumentar os níveis de proteção de dados. São elas:

  • Usar soluções de criptografia de dados: a criptografia realiza a conversão dos dados de um formato legível, para um formato codificado. Em 2022, 72% das empresas de tecnologia adotaram soluções de criptografia. 

Isso garante que processos sigilosos da empresa (transações bancárias, dados de clientes, informações de colaboradores) sejam feitos com mais segurança.

  • Realize testes de segurança: os testes são realizados para validar um sistema ou aplicação, podendo acontecer em todas as etapas do desenvolvimento do sistema, desde sua criação até a implantação. 

A partir desses testes é possível encontrar bugs, reportar erros, identificar problemas de usabilidade e assegurar que os requisitos solicitados pelo cliente sejam atendidos.

  • Contrate especialistas em monitoramento de segurança: o patrimônio da empresa não constitui apenas elementos físicos, mas também dados e informações sigilosas. Portanto, é fundamental que você conte com especialistas no monitoramento de segurança desse patrimônio. Dessa maneira, caso algo de errado aconteça, eles podem ajudar a solucionar problemas em tempo real.
  • Estabeleça políticas de segurança para dispositivos móveis: os dispositivos móveis (notebooks, tablets e smartphones) são itens que simplificam as atividades profissionais, mas que também criam desafios para a segurança da informação. 

Quando um colaborador entra em sites e realiza downloads usando um dispositivo móvel corporativo, ele pode abrir portas para que um malware ou phishing invada o sistema da empresa. 

Protegendo dados e informações sensíveis

A cibersegurança passa pela realização de backups regulares que garantem a recuperação de dados em caso de incidentes. Como você viu anteriormente, a autenticação em dois fatores adiciona uma camada extra de segurança, exigindo mais do que apenas senhas para acessar sistemas. 

Manter software atualizado é importante para seu negócio, pois as atualizações frequentemente corrigem vulnerabilidades. Da mesma maneira, os Firewalls, funcionam como escudos virtuais, impedindo acessos não autorizados.

Mas é claro que além da tecnologia de cibersegurança utilizada, é necessário treinar as equipes. Conscientizar os colaboradores sobre as boas práticas seguras evita ações inadvertidas.

A conscientização sobre o uso de dispositivos móveis corporativos também é fundamental para reduzir ameaças como o phishing, por exemplo.

A cibersegurança protegendo o patrimônio das empresas

Da mesma maneira que um bom gerenciamento de riscos corporativos é importante para a empresa, a segurança cibernética assume um papel fundamental na proteção do patrimônio.

De acordo com as novas regras da ANPD e a Lei Geral de Proteção de Dados, que regula o tratamento de dados pessoais, as empresas têm a responsabilidade de garantir a integridade e confidencialidade de informações pessoais. 

Assim sendo, a cibersegurança não é apenas uma salvaguarda técnica, mas uma defesa estratégica que sustenta a confiança no mundo digital em constante mudança e que protege o patrimônio empresarial, seja ele tangível ou intangível.

Se você gostou dessas informações e quer conhecer ainda mais sobre tecnologias corporativas, assine nossa newsletter. 

Stories


Artigos Similares

A Zeev coleta, via cookies, dados essenciais para o funcionamento do site e métricas de acesso. Saiba Mais.

Entendido
Stoque adquire a Zeev e expande atuação no mercado digital Dicas de Softwares para a Gestão de TI Como melhorar a eficiência do Centro de Serviços Compartilhados Dicas para implementar um planejamento estratégico em 2024