Engenheiro de software: o que faz, salário e o que ninguém conta

imagem de um homemsentado na mesa de trabalho com um notebook na profissão de engenheiro de softwares, para explicar sobre a profissão

Engenheiro de software é uma profissão relativamente nova, tendo surgido no final dos anos 1960, mas que possui um enorme potencial de expansão, despertando interesse em muitas pessoas. Altos salários, valorização profissional e oportunidade de crescimento estão entre os principais atrativos de uma carreira na área. 

Sabendo disso, preparamos um artigo completo para esclarecer as principais dúvidas dos entusiastas desse campo. Saiba detalhes sobre remuneração, oportunidades de emprego, formação recomendada, habilidades necessárias e o que ninguém está falando sobre a profissão. Acompanhe!

Quanto é o salário de um engenheiro de software?

De acordo com o site Vagas, o salário médio para um engenheiro de software é de R$6.303,00.

Um profissional júnior inicia na área ganhando em média R$4.356,00, e pode chegar a receber até R$8.594,00 quando bem estabelecido no mercado. 



Além da experiência, fatores como o porte da empresa contratante, região e habilidades extras do candidato podem pesar nessa equação. Segundo o Glassdoor, a remuneração desse profissional pode atingir até R$16.125 para os engenheiros mais requisitados.

O que faz o engenheiro de software?

O engenheiro de software é o profissional responsável por projetar, desenvolver, testar e manter programas, aplicativos, sites e sistemas de software. 

Entre suas atribuições mais comuns estão a análise de requisitos para atender o cliente, planejamento de arquitetura do site, escrita de código-fonte, identificação e correção de bugs, entre outras atividades da área.

O que é necessário para ser um engenheiro de software?

A formação mais tradicional para os profissionais desse setor é o diploma universitário em Ciências da Computação. O curso tem duração de 4 anos, e está presente no catálogo de universidades públicas e privadas de todo o país. 

Nem todos os profissionais da engenharia de software possuem formação superior. No entanto, estima-se que 86% deles sejam formados na área. Além disso, investir em especializações pode ser uma forma eficiente de se destacar no mercado de trabalho cada vez mais competitivo.

Onde um engenheiro de software pode trabalhar?

Os engenheiros de software podem trabalhar em empresas privadas e instituições públicas em todo o Brasil, ou até mesmo no exterior, independente do porte. Além disso, o profissional pode optar pelo trabalho autônomo, empreendendo em seu próprio negócio. O mercado para profissionais de tecnologia é bastante amplo!

Nesse sentido, os profissionais de engenharia de software podem escolher entre diversas áreas para trabalhar. As principais são:

  • Desenvolvimento de sites, jogos, aplicativos e sistemas;
  • Arquitetura estrutural de sistemas;
  • Gerenciamento de processos;
  • Análise de dados;
  • Testagem de novos projetos;
  • Segurança da informação.

Quais linguagens um engenheiro de software precisa saber?

Quanto mais linguagens de programação um engenheiro de software souber, mais oportunidades profissionais podem aparecer no seu caminho. No entanto, existem algumas linguagens que são consideradas mais importantes:

  • Python: possivelmente, a linguagem de programação mais difundida, graças à sua versatilidade. Pode ser usada para desenvolvimento de programas, criação de sites, automação, análise de dados e outros;
  • Java: amplamente usada para programar recursos em sistemas web e aplicativos. Se destaca por possuir integração com plataformas de código aberto, como Weka e TensorFlow;
  • JavaScript: é usada principalmente para desenvolvimento de sistemas. Se diferencia do Java por ser executada apenas em um browser, sendo voltada para interações de página;
  • Visual Basic: linguagem totalmente gráfica, direcionada ao desenvolvimento de interfaces e aplicativos, pois proporciona uma boa visualização do resultado final;
  • C++: usada na comunicação entre máquinas e desenvolvimento de softwares acadêmicos ou para empresas, além de poder ser utilizada para editar imagens e vídeos;
  • C#: linguagem semelhante a outras, mas com a diferença de ser mais básica e simples, o que a torna mais atraente para programadores novatos.

Quais são as skills que um engenheiro de software precisa ter?

Uma das melhores formas de se preparar para ingressar em um novo mercado de trabalho é conhecer as skills (habilidades) necessárias para a profissão. No caso dos engenheiros de software, as mais importantes são:

Hard Skills – habilidades técnicas específicas

  • Domínio em linguagens de programação;
  • Experiência em desenvolvimento de sistemas;
  • Amplo conhecimento sobre sistemas operacionais, como macOS, Windows e Linux;
  • Habilidades em tecnologias web, como HTML, CSS, frameworks front-end e back-end;
  • Conhecimento em línguas estrangeiras, principalmente o inglês.

Soft Skills – habilidades comportamentais

  • Mentalidade orientada para resolução de problemas;
  • Paciência e resiliência;
  • Capacidade imaginativa;
  • Senso de priorização e organização;
  • Pensamento crítico;
  • Facilidade para trabalhar em equipe;
  • Espírito de liderança;
  • Interesse em melhoria contínua;
  • Olhar treinado para identificação de erros.

Qual o futuro do engenheiro de software? 

A engenharia de software é uma profissão em ascensão, visto que a vida cotidiana é cada vez mais dependente da tecnologia e o profissional é necessário para o desenvolvimento de novas soluções tecnológicas. Apenas em 2021, esse mercado movimentou US$11,3 bilhões em terras brasileiras, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES). 

Ainda segundo a ABES, a transformação digital está impactando a forma como as pessoas trabalham. O mundo está vivendo um momento histórico com a indústria 4.0 e isso vai se refletir em diversos setores, incluindo a engenharia de software.

Inovações tecnológicas como IA, automação, Low-code e Machine Learning estarão cada vez mais presentes, criando novas oportunidades de trabalho. Nesse sentido, a capacitação profissional contínua torna-se essencial para manter-se relevante durante as mudanças do mercado, e isso vale para as empresas também.

O que ninguém conta sobre a engenharia de software

Um assunto muito importante para profissionais da área, mas que não é dito é a forma como o low-code está mudando a profissão. Trata-se de uma solução inovadora que permite que pessoas com pouco ou praticamente nenhum conhecimento em codificação criem softwares para usos diversos. 

O low-code é uma solução que oferece diversos benefícios para empresas que o adotam, como praticidade e agilidade. A partir dele, é possível criar um sistema simples através de qualquer colaborador, usando apenas as ferramentas de “arrasta e solta” disponibilizadas.

Apesar de ser indiscutivelmente útil, o low-code não põe em risco a profissão de engenheiro de software, visto que os sistemas criados por essa ferramenta são mais simples. Ou seja, para um projeto que demande um alto grau de controle e personalização, ainda é preciso contar com o apoio de um profissional experiente.

Além disso, atividades comuns da profissão que vão além da programação, como análise de dados e testes de sistemas, ainda precisam ser feitas por profissionais. Na verdade, o low-code pode ser benéfico para equipes de TI, uma vez que os libera das atividades mais banais, permitindo que dediquem seu tempo para tarefas críticas.

Aqui na ZEEV somos especialistas em low-code e ajudamos empresas e profissionais de todo o Brasil a alcançar a excelência operacional. Conheça nosso blog e fique por dentro das novidades!

Stories


Artigos Similares

A Zeev coleta, via cookies, dados essenciais para o funcionamento do site e métricas de acesso. Saiba Mais.

Entendido
BPMS 5 funcionalidades e vantagens Janela de Johari o que são os 4 eus O que é e quis são as vantagens de um Quadro de Gestão à Vista 6 Passos para automatizar um Workflow!